Blog Sem Fins Lucrativos, somente com o intuito de divulgar a carreira do piloto Bruno Senna e o IAS. Carol Lo Re

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Bruno Senna está perto do sonho de correr na Fórmula 1: ´O Brasil gosta de vencedor´

video

Matéria exibida ontem no Programa SportvNews com o piloto Bruno Senna.

Fonte: Globo.com

Embratel pode patrocinar a Campos em 2010




Embratel pode patrocinar a Campos em 2010

Empresa telefônica pode aproveitar número do carro

LANCEPRESS!

Uma coincidência pode levar à Campos um bom patrocínio.Bruno Senna terá em 2010 o carro de número 21, que é o código para ligações telefônicas da Embratel, que é parceira do piloto.

Ainda não existe nada de concreto, mas a empresa pode aproveitar mais este espaço para divulgar a sua marca.

O piloto ainda disse que está ansioso para voltar ao Bahrein, onde a temporada de Fórmula 1 de 2010 começará, e Senna estreou na GP2. Na ocasião, ele ficou em quarto.

- Não vejo a hora de sentar no carro, é necessário estabelecer metas para os primeiros testes, expectativa é muito grande - disse.

Bruno ainda vai intensificar seus treinos físicos com o preparador Andy Mathews. O piloto disse que costuma ficar muito dolorido depois de dirigir por muito tempo e quer estar melhor nessa parte em 2010.

Fonte: Agência LancePress

Senna em Campos




SÃO PAULO – Bueno, almoçamos, os jornalistas, com Bruno Senna e a cúpula da Campos Meta hoje, antes da chuva. Fiz algumas anotações no meu Moleskine que quase já não tem páginas em branco, então vai faltar alguma coisa, porque quando as páginas acabaram eu parei de anotar, e também não anotei nada na hora da sobremesa, que estava muito boa. O cara da Meta, Enrique Rodríguez de Castro, falava comigo e com o Reginaldo Leme, e eu só comia.

Começando do começo, Adrián Campos, o dono da bagaça ao lado da Meta (uma espécie de Traffic, empresa que agencia atletas e faz eventos esportivos) e de mais um sócio cujo nome não anotei, contou que quando corria na Minardi, o orçamento do time era de US$ 7 milhões. Ele pilotou para o time italiano em 1987 e parte de 1988, quando chegou Pierluigi Martini. “Dois pilotos da mesma nacionalidade na mesma equipe não funciona. É um desastre. Os patrocinadores são os mesmos, não dá certo. Pilotos de diferentes nacionalidades abrem o mercado de seus países”, disse.

Assim, fica claro que a dupla Bruno Senna/Nelsinho Piquet, ao menos na Campos, jamais existirá. Aliás, sobre Nelsinho, Adrián disse que conversou com ele só uma vez. Não tem negociação em andamento. E falou que Piquet-pimpolho foi “vítima de grandes interesses da F-1″. O segundo piloto da equipe, segundo o dono, será definido antes do Natal. Os nomes: Pastor Maldonado e Vitaly Petrov. Vai ser o russo. Ele tem grana e correu para a Campos na GP2 asiática.

Depois, Adrián falou com orgulho de sua equipe, que nasceu em 1998 e já conquistou títulos importantes na F-Nissan com Marc Gené (no ano da estreia), Fernando Alonso (1999) e Antonio Garcia (2000). Na GP2, foi campeão entre as equipes em 2008. Um de seus pilotos foi Lucas di Grassi.

Falou sobre Alonso: “É um piloto que faz a equipe funcionar. Felipe Massa pode se beneficiar disso, porque é rápido e a Ferrari gosta muito dele”. Disse que o carro da Campos, que está sendo feito na Itália pela Dallara, vai participar dos quatro testes de fevereiro: três dias em Valência, depois dois testes de quatro dias em Jerez e, por fim, mais um de quatro dias em Barcelona. Elogiou a Cosworth, que está fazendo um ótimo motor, segundo ele. Não contou, mas eu soube, que amanhã se reúne com a Petrobras no Rio. É óbvio que a Petrobras será sua fornecedora de gasolina.

O time tem 90 funcionários, mas quando começar a fazer o carro na Espanha, vai ter 200. Serão 45 por corrida. Isso é regra, todas as equipes estão limitadas a 45 almas por GP. Eu não sabia disso. Contou que o critério de escolha das novas equipes pela FIA foi geográfico, acima de tudo. “Era importante uma equipe espanhola, uma americana, uma da Malásia, que terá dinheiro do governo, e só uma inglesa. Eles não queriam um monte de inglesas. Está nascendo uma nova geração de equipes. Se Max Mosley não tivesse aberto as portas para as novas, a F-1 hoje teria oito times, ou menos.”

Adrián também falou que ninguém tem muita informação sobre as rivais. “Estamos chegando a um meio cheio de tubarões, ninguém confia em ninguém. Por isso, ninguém passa muitas informações.” Contou que a USF1 é aquela sobre a qual menos sabe.

brunoAí chegou a comida e quem começou a falar foi o Bruno, e não anotei muita coisa. Lembro que ele disse que o número 21 foi uma sorte, apenas, nada a ver com a Embratel. Como deram 20 e 21 para a Campos, explicou Bruno, a equipe pediu para a FIA para inscrevê-lo com o 21, mas não disse por quê. “Se dissessem que era por causa de patrocínio, eles não davam. Devem ter dito que era meu número da sorte, algo assim.” O primeiro-sobrinho falou que há duas semanas tem tido reuniões com possíveis patrocinadores no Brasil, mas a prioridade é arrumar grana para a equipe; depois, patrocinadores pessoais.

Da sobremesa já falei, não anotei quase nada do que disse o cara da Meta, comi um merengue com morango, um musse de goiabada com queijo, um pudim de leite, um cheese-cake e um pedaço do crème brûlée da Vanessa Ruiz (a da foto), da CBN. Os acentos do creme eu tirei da internet. Francês é muito difícil. Enrique, o cara da Meta, está cheio de ideias, disse que a equipe vai plantar árvores para compensar a emissão de poluentes de seus carros, quer que a Campos seja uma “ecoequipe”, que precisa conquistar os jovens e que os novos times da F-1 são “filhos da crise”, porque foi a crise que afastou as montadoras da categoria.

E foi isso. No fim, ainda ganhamos uma camiseta da equipe. Tamanho G, vai ficar grande, não vou usar
Blog do Gomes

"Segundo piloto da equipe Campos Meta será anunciado até o Natal "


Em um almoço informal em São Paulo com as presenças de Bruno Senna e Adrian Campos, dono da equipe que leva seu sobrenome e terá o brasileiro no cockpit, o dirigente confirmou que o segundo piloto da equipe será divulgado até o Natal. Ele garantiu também que só existem agora três nomes: o venezuelano Pastor Maldonado, o russo Vitaly Petrov, e o experiente espanhol Pedro de la Rosa.

Ao ser questionado qual seria o principal atributo do piloto entre experiência, modo de pilotar ou patrocínio, Campos disse que vai tentar balancear os três.

"Podíamos trazer um piloto que não trouxesse dinheiro, e esse era o Bruno, por isso agora olharemos por outro lado", disse o dirigente.

Adrian Campos também comentou que o carro estará pronto até o final de janeiro. Pelos próximos três anos, a responsabilidade por fabricar os carros serão da italiana Dallara, depois a própria equipe terá a sua fábrica.

Patrocínio- Uma coincidência pode levar à Campos um bom patrocínio. Bruno Senna terá em 2010 o carro de número 21, que é o código para ligações telefônicas da Embratel, parceira do piloto.

Ainda não existe nada de concreto, mas a empresa pode aproveitar mais este espaço para divulgar a sua marca.

Terra Brasil

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Na mesa com Adrian Campos por Fabio Seixas.

Na mesa com Campos

Almoço, hoje, com Bruno Senna. Que sorria de orelha a orelha, demonstrava otimismo com a equipe, com a Dallara, com a estreia. O companheiro, diz, deve ser Maldonado ou Petrov. O anúncio acontecerá antes do Natal.
Mas a grande surpresa do início de tarde foi o chefe dele, Campos. Apesar de ter cruzado com ele inúmeras vezes em paddocks mundo afora, nunca havíamos conversado. Ótimo papo. Piloto da Minardi em 87 e 88, amigo do Senna-tio, desandou a falar.
Um trecho:
"Ayrton ensinou a todos nós o que era ser piloto de F-1. Naquela época, caras como eu, Mansell, Prost, Nanini, Piquet... A gente saía do carro, passava as impressões pro engenheiro de pista e uma hora depois estava indo embora do autódromo. O Ayrton ficava lá horas, ficava a noite toda, atrás de um detalhe que rendesse um décimo na pista. Ele mudou a maneira de trabalhar na F-1, ensinou como tínhamos que fazer. De certa forma, ele extingiu a função de engenheiro de pista. Os pilotos, a partir dele, têm que ser engenheiros também (...) Senna era um perfeccionista, vivia para correr. Acho que ele não era um homem feliz, então colocava todos os seus esforços na F-1 para tentar extrair dali algo de positivo, que lhe desse uma satisfação. Mas sempre achei que ele não era um homem feliz. Mesmo na F-1, ele amava o carro e a competição, mas não gostava de toda a política que havia em volta. Acho que ele correria mais um ano na F-1 e pararia."
Campos ainda o comparou com Alonso, que conhece muitíssimo bem _foi o "descobridor" do bicampeão da F-1. E falou de suas expectativas sobre o convívio do bicampeão com Massa em Maranello.
"Senna era um piloto muitíssimo esforçado, um trabalhador incansável. Já Alonso é um matador. É muito agressivo e tem muito feeling. Quando ele diz que vai ganhar uma corrida, ele ganha. Quando ele sabe que vai fazer uma pole, ele faz. Ele tem essa percepção perfeita de como o carro está. E sabe também que consegue tirar mais meio segundo, por talento natural. Massa é rápido, e a equipe está apaixonada por ele. Alonso tem a capacidade de fazer a equipe funcionar. Se o Massa for esperto, ele pode se beneficiar muito disso. Não sei se será pacífico, mas será divertido."

Blog do Fabio Seixas.

"Bruno tem um talento inegável"


Em um almoço para jornalistas na cidade de São Paulo, Adrian Campos apresentou Bruno Senna como piloto de sua equipe no próximo ano.

O espanhol, que já correu na F-1 no fim dos anos 80, pretende colocar o carro na pista pela primeira vez na primeira semana de fevereiro, em Valência. Antes disso, quer definir sua dupla.

"O segundo piloto será anunciado antes do natal. Tem que ser", afirmou Campos, que testa por mais três semanas em Jerez e Barcelona, antes do início do campeonato."Bruno tem um talento inegável", comenta Campos.

O dirigente, que já trabalhou como manager de Fernando Alonso, afirmou que assinou com Senna por seu talento ser "inegável", não pelo sobrenome famoso.

"Não sabemos onde pode chegar, se será igual ao tio. mas eu assinei com ele porque o talento dele é inegável. O que ele fez em tão pouco tempo de automobilismo é surpreendente. Por isso assinamos com ele sem que ele traga dinheiro, mas o próximo terá que trazer."

Campos também justificou os motivos pelos quais não assinou também com Nelsinho Piquet. "Não fecho a porta para ele. Conversamos, mas para este ano não vai dar. É ruim ter dois pilotos de uma mesma nacionalidade na equipe. Eles estão no mesmo mercado e concorrem pelos mesmos patrocinadores."

Por fim, o espanhol comentou sobre a rivalidade entre Felipe Massa e Fernando Alonso no próximo ano. "Massa é rápido, mas alonso tem a capacidade de fazer a equipe funcionar. Massa pode se beneficiar disso. Não sei se será uma convivência pacífica, mas será divertido acompanhar."

Tazio - UOL

Bruno Senna tenta driblar pressão para estreia na F-1

O brasileiro Bruno Senna tenta driblar a pressão de carregar o sobrenome famoso para estrear na F-1 no dia 14 de março, no GP do Bahrein. Desde que foi apresentado como piloto da novata Campos, em novembro, o sobrinho de Ayrton Senna tem sido procurado diariamente por jornalistas de todo o mundo para entrevistas.

- Sempre existiu uma presão enorme. Mas sempre lidei com isso colocando objetivos factíveis para a minha carreira. Não posso absorver essa pressão. Na minha corrida de estreia na F-BMW, estavam me comparando com o Ayrton. Junto com a minha mãe e minha irmão me preparei da melhor maneira para lidar com a pressão e a cobrança - disse Bruno, durante encontro com jornalistas na tarde desta quinta-feira em um restaurante de São Paulo.

E para a primeira temporada na principal categoria do automobilismo mundial, o objetivo é muito claro: somar pontos. Os donos da Campos têm a meta de acabar a temporada como a melhor entre as quatro equipes estreantes.

Apesar de tentar se livrar do lado ruim do parentesco com o lendário tricampeão mundial, Bruno, de 26 anos, reconhece que o sobrenome foi, por enquanto, fundamental para sua ascensão no automobilismo.

- Pude financiar a minha carreira por causa da atenção que o sobrenome Senna despertava na imprensa e no público.

Por enquanto, o brasileiro tem ajudado nos detalhes do carro que irá piloto em 2010. Ele tem conversado regulamente com engenheiros da equipe espanhola. Os testes na pista só começam em fevereiro.

- Não vejo a hora de sentar no carro. Tenho acompanhado tudo. Espero que o carro seja bem-nascido

A Campos ainda não definiu quem será o companheiro de Bruno na temporada. A equipe espanhola também negocia com patrocinadores. Além de somar pontos, o plano dos espanhóis é se consolidar como a primeira equipe verde da F-1.

- Queremos plantar árvores nos arredores dos circuitos em que as corridas forem realizadas para compensar a emissão de gás carbônico provocada pelos carros - afirmou Enrique Rodríguez de Castro, CEO da Campos
Fonte - O Globo.

"O Novo Senna" - Entrevista de Bruno Senna ao Portal ONNE


Bruno Senna conversou com o ONNE no evento Capacete de Ouro


Bruno Senna é uma grande promessa do automobilismo brasileiro e a partir do ano que vem, o jovem de 26 anos terá pela frente o maior desafio da sua vida ao disputar a primeira temporada na Fórmula 1, na também estreante equipe Campos Meta. O desafio de Bruno será ainda maior pela inevitável comparação com o seu tio Ayrton Senna, tricampeão mundial na categoria.

O piloto, apesar de ter começado a carreira tardiamente, apenas em 2004, já disputou a Fórmula 3, a Fórmula 3 Inglesa, a Le Mans Series e a GP2, onde conseguiu sucesso ao conquistar o segundo lugar no mundial de pilotos na temporada 2008.

No início dessa semana, na 13ª edição do Capacete de Ouro, evento que premia os pilotos e navegadores do país que obtiveram os melhores resultados na temporada nas pistas e trilhas pelo mundo, Bruno conversou com o ONNE.


Confira a expectativa do piloto para a temporada 2010 da Fórmula 1.


ONNE: Qual a expectativa para estrear na novata equipe Campos?
SENNA:Agora eu tenho a chance de estar em uma equipe da Fórmula 1, dar a minha influência no desenvolvimento do carro, então é muito mais excitante, é muito mais animador estar ali com a equipe. Só que infelizmente não tem treino e é preciso esperar até fevereiro para andar com o carro. Mas são coisas do automobilismo e temos que nos adaptar.



ONNE: O que esperar do carro para a temporada 2010?
SENNA: Vamos ter que aproveitar os testes de pré-temporada o máximo possível, mas o importante é ter o pé no chão e saber que ainda há limitações por inexperiência. Tenho que me desenvolver com calma, não adianta sair afobado. A equipe também tem que trabalhar o máximo para conseguir o desenvolvimento rápido, mas tudo depende de muitos fatores. Acho que ser ou não ser estreante, não é a definição de ser ou não bem sucedido.

ONNE: Quem fará dupla com você na Equipe Campos?
SENNA: Na verdade está entre o Pastor Maldonado (Venezuela) e Vitaly Petrov (Rússia), que são pilotos de GT2, que já tiveram vitórias na modalidade. Ainda não foi decidido isso, mas para mim não tem diferença, o importante é que meu companheiro de equipe possa trabalhar em conjunto comigo para levar a equipe para frente e não ficar só uma disputa de pilotos dentro da equipe.

ONNE: O que você acha desse novo regulamento?
SENNA: A parte do combustível vai ser muito interessante com relação como as equipes e os pilotos encaram a performance do carro durante a corrida. Algumas equipes vão priorizar o desempenho no início da prova e outras mais pro final. Isso vai criar muitas fases durante a prova e acho que cria um pouco de imprevisibilidade para a corrida. Estou animado para isso, pois quanto mais mudança de um ano para o outro melhor para quem está entrando e pra gente se tivesse mais algumas mudanças seria ainda melhor.

ONNE: Por carregar o sobrenome Senna, como você lida com a pressão que agora só tende a aumentar?
SENNA: A pressão vai ser maior, só que eu tive uma preparação muito boa desde o começo. Sem nunca ter corrido antes, na minha primeira corrida na BMW, eu tive uma equipe de televisão filmando, então pressão sempre teve lá e só uma questão de saber lidar com ela e criar objetivos reais, coisas que eu sei que consigo fazer antes de fazer o que as pessoas esperam de mim.
A minha responsabilidade é de mostrar o meu potencial, eu não vou ficar me cobrando, pois quem me cobra por ser Senna está com a ilusão de que eu tenho a obrigação de ser igual ao Ayrton e não é isso. Eu tenho que traçar o meu caminho para alcançar o sucesso.

ONNE: E como vai ser competir com Rubens Barrichello e Felipe Massa?
SENNA: Acho que vai ser a máfia brasileira junta na Fórmula 1 mais do que nunca, na GP2 sempre fazíamos coisas juntos com os outros brasileiros e agora na Fórmula 1 as coisas ficaram um pouco mais fáceis porque o Paddock é o mesmo.

ONNE: Qual equipe você considera favorita para a próxima temporada?
SENNA: Bom, acho que a Ferrari e a McLaren estão com uma dupla de pilotos muito fortes (Massa e Alonso; e Hamilton e Button, respectivamente) e provavelmente eles serão as equipes a serem batidas. Agora, quem vai ganhar de quem teremos que esperar.

ONNE: E a ex-Brawn, agora Mercedes?
SENNA: Todo mundo conhece a capacidade do Ross Brawn. Tem que ver como ficou o desenvolvimento do carro do próximo ano, porque como eles acertaram o caminho esse ano, então as chances são boas.

ONNE: O que representa o Capacete de Ouro?
SENNA: Com certeza é uma consagração por todo o trabalho que você faz durante o ano. Todo mundo está trabalhando bastante para atingir o sucesso na carreira e acho que o Capacete de Ouro é uma motivação para todos os brasileiros que estão na batalha, que a gente sabe que não é fácil.

Fonte: PortalOnne

Video: Bruno Senna no Capacete de Ouro

video


O Café com F1 conversou com o brasileiro Bruno Senna no Capacete de Ouro.

Entrevista concedida ao repórter Thiago Raposo.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Senna prevê disputa entre ex-GP2 para vaga restante na Campos



Já garantido na Fórmula 1 na próxima temporada, Bruno Senna não esconde as preferências da Campos, sua primeira equipe na categoria, para a outra vaga do paddock. Animado com as perspectivas de sua estreia, o brasileiro prevê Vitaly Petrov ou Pastor Maldonado, ambos ex-GP2, como seus prováveis companheiros de time.

"Está entre esses dois. Mas para mim não faz muita diferença quem vai ser o escolhido. O importante é que a gente pense no trabalho em conjunto, e menos nessa disputa interna", disse Bruno Senna, na chegada para a entrega do prêmio Capacete de Ouro, em São Paulo.

O russo Petrov é um velho conhecido da Campos, que possui uma escuderia na GP2, espécie de categoria de acesso da Fórmula 1. A ligação entre as partes existe desde 2002, quando o atleta, que hoje tem 25 anos, estreou na categoria.

Pastor Maldonado, por sua vez, também carrega consigo a experiência da GP2. O venezuelano correu o renomado campeonato nos últimos três anos por Trident Racing, Piquet Racing e ART Grand Prix. Seu melhor resultado foi um quinto lugar no torneio de 2008, pela equipe comandada pelo ex-piloto brasileiro.

A animação com o futuro na Fórmula 1, porém, não faz Bruno Senna sonhar com o título. Para o brasileiro, a situação vivida pela Brawn GP em 2009 não será repetida com nenhuma das estreantes, já que a diferença de orçamentos é gritante.

"O caso deles é mais específico. Eles tiveram um orçamento diferenciado pela Honda, além de um projeto feliz e os motores da Mercedes. Não dá para aplicar essa situação para as novas. Temos de ter os pés no chão", disse Senna.
Abril.

Ouça: Entrevista de Bruno Senna concedida na chegada da premiação Capacete de Ouro


Na chegada à premiação Capacete de Ouro, Bruno Senna conversou com as rádios CBN e Globo. O piloto brasileiro comentou sobre o seu trabalho com a equipe Campos Meta, ressaltando que o staff será completamente fechado até o final de janeiro, bem como discorreu sobre sua relação com a Dallara, fabricante do carro da equipe espanhola.

Por fim, Bruno salientou a importância dos testes de fevereiro e ainda comentou sobre a possibilidade de correr ao lado de Nelsinho Piquet. Segundo o seu entendimento, para o padrão de ação da Campos, o campo para busca de patrocínio seria reduzido, o que dificultaria o negócio.

Ouça a entrevista concedia à jornalista Vanessa Ruiz:
http://vanessaruiz.info/bruno-senna-busca-da-campos-por-patrocinio-po

Fotos de Bruno Senna no Capacete de Ouro 2009


O piloto Bruno Senna esteve presente ao Capacete de Ouro, premiação concedida pela Revista Racing aos melhores do automobilismo no Brasil. Bruno atendeu à imprensa e não escapou dos humoristas do Pânico da Rede TV.

Fonte: Revista Racing

Entrevista com Bruno Senna - Revista Auto Esporte

ESTE SENNA É BRUNO

Brasileiro estreará na Fórmula 1 na novata Campos, primeira equipe espanhola na categoria

As feições lembram as de Ayrton Senna. Mas aos 26 anos, Bruno não vacila. acostumado às comparações com o tio, afirma que chegou à F-1 por seus méritos, a partir dos resultados em outras categorias. “ Aos poucos, as pessoas vão perceber que o Ayrton era o Ayrton e eu sou o Bruno”, diz. Ele começa na Campos Meta em 2010 e pode ter como companheiro * Kimi Raikkonen ( que não tinha acertado sua equipe até o fechamento da edição ). Após um ano que classifica como de “espera e aprendizado nas corridas de longa duração na série Le Mans”, Senna se prepara para a principal categoria do automobilismo.

Você já disse que experiência e quilometragem são igualmente importantes para um piloto. Atingiu o ponto ideal nesses aspectos para encarar a F-1?

São importantes, sem dúvida. Mas uma das minhas qualidades é aprender rapidamente. Por onde passei, meus resultados vieram depressa. Fui o brasileiro que venceu mais cedo na GP2, na terceira corrida. No meu teste de F-1 com a Honda em novembro de 2008, fiquei a dois décimos do Jenson Button, que tem dez anos na categoria. Antes da abertura da temporada, teremos quatro semanas de testes. Se não é o ideal, espero que seja suficiente para me dar a mão do carro.

Quais as suas expectativas para 2010? O que pode adiantar sobre a Campos e o seu carro?

É prematuro fazer previsão. A Campos tem uma bela história nas categorias de base e o comando do Adrian Campos, que andou na F-1 no fim da década de 80. O projeto é sério e a equipe está se cercando de profissionais capazes. O carro está sendo construído pela Dallara, que fornece para séries importantes como GP2, Fórmula Indy e Fórmula 3. Logo que fui contratado, estive na fábrica e fiz o ajuste do banco. Testei a direção hidráulica e gostei do funcionamento. Estou ancioso pelo início dos testes.

Você vai manter o “ estilo de pilotagem suave “, como descreve o seu ?

É difícil dizer o que esperar de um carro que nem foi totalmente construído. Sabemos que a Fórmula 1 será diferente em 2010, já que os carros largarão pesados e terminarão leves por causa do fim do reabastecimento. Uma freada no início da corrida será uma coisa; no final, outra completamente diversa, pois o combustível terá sido consumido.

Quais serão as suas metas?

Quero ajudar a Campos a ser a melhor das estreantes. Para um início em que não se sabe o que virá pela frente, essa pode ser uma meta viável. Quem sabe chegar nos pontos....Sei lá, só mesmo esperando pelo começo das corridas.

Após o desempenho da Brawn GP, estreantes são encaradas de outra maneira?

Acho que são situações diferentes. A Brawn manteve praticamente todo o corpo técnico e organizacional da Honda. A estrutura estava pronta. A mudança para o motor Mercedes ajudou, mas a verdade é que a equipe foi tão mal em 2008, que começou a trabalhar no carro seguinte, com regulamento bastante modificado, principalmente na aerodinâmica, o que levou a uma grande vantagem. As equipes novas de 2010 vão conhecer a Fórmula 1 a partir de agora.



Fonte: Revista Auto Esporte
Edição de Dezembro

Exclusive Q&A with Campos driver Bruno Senna

Bruno Senna will make his Formula One race debut with the new Spanish team Campos Meta next season. The nephew of the late, great three-time world champion Ayrton Senna, it was only a matter of time for Bruno to enter F1.

With the uncanny good looks as his late uncle and the same passion behind the wheel of a race car. He’s determined to put the name of Senna back on the Formula One starting grid.

In an exclusive interview for the F1 Times, Kris Brown talks to Bruno Senna about the upcoming challenges and aspirations for 2010.

Q. Your uncle Ayrton Senna once said “If you think I’m fast, just wait until you see my nephew Bruno”. The "Senna" name holds a whole host of responsibility - that said, are you feeling any added pressure entering Formula One next season?

The pressure’s always been there for me. Since my first ever race. So I’ve become used to it and I believe this situation throughout my career has helped me to become more prepared for F1.

Q. I understand if this question may be hard for you to answer, and I fully understand if you don’t feel you can. Thinking back to Imola 1994, and the accident that killed your uncle, it reminds us just how dangerous Formula One can be sometimes. Despite a revolution in safety regulations, 2009 saw Felipe Massa luckily escape fatality during qualifying at the Hungarian Grand Prix. This in mind, does the danger ever worry you?

Not at all. I’m fully aware of the choices I’ve made for my life and I believe that F1 is a pretty safe environment nowadays. The risk you take is usually calculated, but yes… The odd bizarre moment can happen and I know that there’s a certain amount of risk that you cannot predict. I chose to live with that.

Q. If you think about some of the more recent entrants into F1, at 26 you’re quite a lot older to be entering the sport. Did you ever worry that F1 dream might never come?

Every racing driver who aspires to F1 worries that this dream might not come true. I’ve had moments where I felt further away from F1, but with a lot of persistence and hard work from me and my management team, we’ve started making this dream come true with Campos Meta for 2010.

Q. Did you regret not being a part of the Brawn GP team that you were reportedly in a chance of joining last season?

Unfortunately it wasn’t my choice not to be part of the team, but I’d have loved to be there learning a lot during 2009 with a competitive car and team-mate.

Q. You will be joining the all new Campos Meta team next season. Do you have a specific target with the team for 2010 and beyond?

Personally, I want to develop myself and learn as much as possible during this year. With the team, we want to be the best of the new teams and score points occasionally, but those objectives will be revised depending on the initial performance of the team and car.

Q. The 2010 F1 season will see a continued change of regulations from 2009. One of the most significant is the re-fuelling ban. As a driver, what differences will the no-fuelling regulations make to you?

For me it will be more natural, as I’ve only done a handful of races with refuelling. Obviously it will constitute a big job for team and drivers to find the optimum car setup that will maximize the speed of the car throughout the large weight, ride-height and tyre-wear changes that will occur during the race.

Q. Campos have yet to confirm your fellow team-mate - although the reports have linked Pedro de la Rosa to the seat. The team will probably want to employ a more F1 experienced driver to help them grow. How important will it be for you to be competitive with a more experienced team-mate and what do you think you can learn from them?

It would be great to have an experienced team-mate on the other car to make the team develop as quickly as possible in the right direction, but that’s not necessarily true. For me what’s really important is that I can work together with my team-mate to maximize our development potential.

Q. Are you looking forward to the Brazilian Grand Prix next year? What do you think the reaction will be from the crowd to see a Senna line up on the grid again?

Absolutely!! I think it’ll be quite special to be in Sao Paulo next year and, hopefully, have a lot of support from the Brazilian crowd!

Q. Are you looking forward to any other circuits in 2010? How do you think you will fair at some of the new circuits – particularly the twilight and night races?

I’m looking forward to every circuit next year. Can’t wait to experience all the tracks that I know from other championships in the F1, car and try as hard as possible to have good races and qualifyings.

Q. There has been wide speculation that Michael Schumacher is looking to return to F1 in 2010. Debates have raged around who was quicker between your uncle and Schumacher. However likely or unlikely the prospect of Michael returning to F1 is, would you relish the chance to race against one of Ayrton’s most fierce competitors

It would be a privilege to me to race against someone like Michael Schumacher, but I believe the current F1 talent will be a great challenge for me during my career!

Q. What do you like to do when you are not racing or not in the spotlight of the motor racing circus?

I like to be at home listening to music and rest a bit from the frantic schedule that’s imposed on racing drivers. When I’m in Brazil, I like to go out and meet with many friends and enjoy the sunshine a little bit for the fitness training.

Bruno Senna fará sua estréia na F1 pela equipe espanhola Campos Meta na próxima temporada. O sobrinho do tricampeão mundial falecido Ayrton Senna diz que era quest]ao de tempo para entrar na F1

Com a aparência estranha bom quanto seu falecido tio ea paixão mesmo ao volante de um carro de corrida. Ele está determinado a colocar o nome de Senna para trás no grid de Fórmula partida.

Em entrevista exclusiva para o Times F1, fala Kris Brown Bruno Senna sobre os futuros desafios e expectativas para 2010.

Q. Seu tio Ayrton Senna disse uma vez: "Se você pensa que eu sou fácil, é só esperar até ver o meu sobrinho Bruno". O "nome de Senna" detém um conjunto de responsabilidade - o que disse, você se sente qualquer pressão adicional entrar Fórmula próxima temporada?

A pressão sempre esteve lá para mim. Desde a minha primeira corrida. Então, eu tornei-me acostumar com isso e acredito que esta situação ao longo da minha carreira me ajudou a tornar-se mais preparado para a F1.

P. Eu entendo que esta questão pode ser difícil para você responder, e eu compreendo perfeitamente que você não sente que você pode. Pensar de volta a Imola 1994, eo acidente que matou seu tio, lembra-nos o quão perigoso Formula One pode ser às vezes. Apesar de uma revolução nos regulamentos de segurança, 2009 viu Felipe Massa felizmente escapar fatalidade durante a qualificação para o Grande Prêmio da Hungria. Nesta perspectiva, o perigo não se preocupa você?

Not at all. Estou plenamente consciente das escolhas que fiz para a minha vida e acredito que a F1 é um ambiente bastante seguro hoje em dia. O risco que você toma é geralmente calculada, mas sim ... O momento ímpar bizarro pode acontecer e eu sei que há uma certa quantidade de risco que você não pode prever. Eu escolhi viver com isso.

Pergunta: Se você pensar sobre alguns dos operadores mais recentes na F1, com 26 você está muito muito mais para estar a entrar no esporte. Alguma vez você se preocupe que o sonho F1 poderia nunca vir?

Todo piloto que aspira a preocupações F1 que este sonho pode não se tornar realidade. Eu tive momentos em que me senti mais longe da F1, mas com muita persistência e trabalho árduo de mim e minha equipe de gestão, nós começamos fazer este sonho com Campos Meta para 2010.

Pergunta: O que você lamenta não ter sido uma parte da equipe GP Brawn, que estiveram em uma chance de ingressar na temporada passada?

Infelizmente, não foi a minha escolha de não fazer parte da equipe, mas eu amei estar lá aprendendo muito durante 2009, com um carro competitivo e companheiro de equipa.

P. Você irá juntar-se a todos os novos Campos Meta da equipe na próxima temporada. Você tem um alvo específico com a equipe para 2010 e além?

Pessoalmente, eu quero me desenvolver e aprender tanto quanto possível, durante este ano. Com a equipe, nós queremos ser o melhor das novas equipes e pontos ocasionalmente, mas os objectivos serão revistos em função do desempenho inicial da equipe e do carro.

P. A temporada 2010 de F1 vai ver uma mudança contínua das regulamentações de 2009. Um dos mais significativos é a interdição de abastecimento. Como um piloto, que diferenças será a não-regulamentação alimentar fazer para você?

Para mim será mais natural, como tenho feito apenas um punhado de raças com reabastecimento. Obviamente que vai constituir um grande trabalho para a equipe e motoristas para encontrar a melhor configuração do carro que irá maximizar a velocidade do carro ao longo do grande peso, altura e montar pneus desgastam as mudanças que irão ocorrer durante a corrida.

P. de Campos ainda não confirmou o seu companheiro de equipe-mate - apesar de os relatórios ligaram Pedro de la Rosa para o banco. A equipe provavelmente vai querer empregar um driver mais F1 experiente para ajudá-los a crescer. Como é que vai ser importante para você ser competitivo com uma equipe mais experiente companheiro e fazer o que você acha que pode aprender com eles?

Seria ótimo ter um experiente companheiro de equipe em outro carro para fazer a equipe a desenvolver o mais rápido possível na direção certa, mas isso não é necessariamente verdade. Para mim o que é realmente importante é que eu possa trabalhar junto com meu companheiro de equipe para maximizar nosso potencial de desenvolvimento.

Pergunta: Você está olhando para a frente para o Grande Prêmio do Brasil no próximo ano? O que você acha que será a reação da multidão para ver uma linha de Senna no grid novamente?

Absolutamente! Acho que vai ser muito especial para a São Paulo no próximo ano e, felizmente, temos um grande apoio da torcida brasileira!

Pergunta: Você está olhando para a frente a quaisquer outros circuitos em 2010? Como você acha que será justo em alguns dos novos circuitos - em especial o crepúsculo e as corridas a noite?

Estou ansioso para cada circuito do próximo ano. Não posso esperar para experimentar todas as faixas que eu conheço de outros campeonatos na F1, carro e tentar o máximo possível para ter boas corridas e qualifyings.

P. Houve grande especulação de que Michael Schumacher está olhando para voltar à F1 em 2010. Debates que durou em torno de quem era mais rápido entre o seu tio e Schumacher. Contudo, é provável ou improvável a perspectiva de Michael retornando a F1 é, você saboreia a chance de correr contra um dos concorrentes mais ferozes de Ayrton

Seria um privilégio para mim a corrida contra alguém como Michael Schumacher, mas acredito que o talento actual F1 será um grande desafio para mim durante a minha carreira!

P. O que você gosta de fazer quando não está competindo ou não no centro das atenções do automobilismo circo?

Eu gosto de ficar em casa ouvindo música e descansar um pouco da agenda frenética que é imposta pilotos. Quando estou no Brasil, eu gosto de sair e encontrar com muitos amigos e desfrutar do sol um pouco para a formação de fitness.
The F1 Times

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Mais Informações sobre a Bienal do Automóvel em Belo Horizonte em parceria com o Instituto Ayrton Senna.

Para os visitantes que desejam comparecer a Bienal do Automovel em Belo Horizonte nos proximos dias 9 a 13 de Dezembro para apreciar a esposiçao do Instituto Ayrton Senna, o qual tambem é representando pelo piloto de F1 Bruno Senna, segue algumas informaçoes sobre acesso ao local e compra de Ingressos.
PREÇO DOS INGRESSOS

- Data do Evento: 09 a 13 de dezembro 2009

- Dia / Horário:
quarta-feira, 09/12 - 16h às 22h
quinta-feira e sexta-feira, 10 e 11/12 - 14h às 22h
sábado e domingo, 12 e 13/12 - 10h às 22h

- Local: Expominas - Centro de Feiras e Exposições de Minas Gerais e Parque da Gameleira, Parque de Exposições Bolivar de Andrade

- Endereço: Av. Amazonas 6.030, Gameleira - Belo Horizonte/MG
COMPRA ANTECIPADA ONLINE OU NOS POSTOS DE VENDA

IDADE DATA – DEZEMBRO 2009
09 e 10 11, 12 e 13
Crianças de
0 a 4 anos Gratuito Gratuito
Crianças de
5 a 12 anos R$ 10,00
(dez reais) R$ 12,50
(doze reais e cinqüenta centavos)
Estudantes e
Maiores de 60 anos R$ 10,00
(dez reais) R$ 12,50
(doze reais e cinqüenta centavos)
Adultos e
Maiores de 12 anos R$ 20,00
(vinte reais) R$ 25,00
(vinte e cinco reais)

COMPRA NA BILHETERIA DO EVENTO

IDADE DATA – DEZEMBRO 2009
09 e 10 11, 12 e 13
Crianças de
0 a 4 anos Gratuito Gratuito
Crianças de
5 a 12 anos R$ 12,50
(doze reais e cinqüenta centavos) R$ 15,00
(quinze reais)
Estudantes e
Maiores de 60 anos R$ 12,50
(doze reais e cinqüenta centavos) R$ 15,00
(quinze reais)
Adultos e
Maiores de 12 anos R$ 25,00
(vinte e cinco reais) R$ 30,00
(trinta reais)
OBSERVAÇÕES

· Compre antecipadamente seu ingresso para sua comodidade e conforto;
· Aproveite os descontos especiais para os dias 9 e 10 de dezembro;
· Na compra antecipada online e entrega em domicílio, o cliente não pagará taxa de conveniência, somente a taxa de entrega mais o valor do ingresso;
· Na compra antecipada online e retirada nos postos credenciados, o cliente pagará taxa de conveniência no valor de R$5,00 (cinco reais) “por compra” mais o valor do ingresso;
· Na compra antecipada diretamente nos postos credenciados, o cliente não pagará taxa de conveniência, somente o valor do ingresso;
· Na compra feita nos dias do evento, o cliente não pagará taxa de conveniência, somente o valor do ingresso;
· As bilheterias do evento funcionam a partir do horário de abertura da feira até uma hora antes do término;
· A venda ONLINE acontecerá até o dia 04/12/09;
· A venda antecipada de ingressos nos postos credenciados acontecerá até o dia 08/12/09;
· Postos de venda/recebimento de ingressos credenciados:
· Ver listagem no site www.ingressorapido.com.br
· Compre o seu ingresso apenas nos postos credenciados pela Bienal do Automóvel;
· Não compre ingressos de cambistas para evitar transtornos;
· Vá de transporte coletivo: ônibus, taxi e principalmente metrô. Meio rápido, seguro e econômico de ir e vir.

Mais detalhes no site: www.bienaldoautomovel.com.br